Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Casamento homossexual: comissão rejeita petição para referendo com críticas à esquerda. i online. PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Terça, 09 Fevereiro 2010 23:42

por Agência Lusa

 

A comissão de Assuntos Constitucional rejeitou hoje a petição subscrita por 4416 cidadãos a insistir num referendo sobre os casamentos entre pessoas do mesmo sexo, após críticas da esquerda sobre ??os termos? e a oportunidade do documento.

Aprovada pelo PS, BE, PCP e PEV, a nota de admissibilidade elaborada pelos serviços da comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais recomendava que a petição fosse ??indeferida liminarmente?.

??O único instrumento constitucional e legal adequado ao exercício do direito ora reclamado [iniciativa popular de referendo] já foi exercido, aliás pelos mesmos subscritores da petição?, refere o texto aprovado hoje na comissão de Assuntos Constitucionais.

Na reunião, o deputado do PCP João Oliveira questionou os ??termos jocosos? do documento entregue pela Plataforma Cidadania e Casamento, que terminava numa pergunta ao Parlamento:

??Se não bastaram as 92.207 assinaturas para que o referendo fosse convocado, quantas mais pretendem para respeitarem e ouvirem a vontade do povo português??, lê-se no texto da petição.

??Eu responderia que não há número de assinaturas que valham. Isto é uma competência da Assembleia da República?, afirmou o deputado comunista João Oliveira.

Do lado do PS, o deputado Ricardo Rodrigues questionou igualmente os termos da petição, afirmando ter ficado com dúvidas sobre "o objeto" do documento.

"Se o objeto não é o referendo, então estão aqui a insultar-nos, a pôr em causa a democracia representativa. Perguntam de quantas assinaturas precisamos. O que podemos fazer mais? Não podemos fazer mais nada", afirmou Ricardo Rodrigues.

A deputada do BE Helena Pinto insurgiu-se contra a iniciativa, considerando que a petição ??não tem cabimento? por o assunto ??estar esgotado? com a rejeição, em janeiro, de uma iniciativa popular de referendo.

??Não vale a pena abusar dos mecanismos democráticos da Assembleia da República. Já perderam?, afirmou, dirigindo-se ao deputado Bacelar Gouveia, que subscreveu a iniciativa popular de referendo.

PSD e CDS-PP discordaram do argumento de que a petição deve ser chumbada por não ser o instrumento legal para pedir um referendo, com o deputado democrata cristão Nuno Magalhães a sugerir que ??por uma questão de respeito? pelos peticionários deveria aceitar-se a iniciativa e discutir o tema em plenário.

 

Ler artigo no contexto original