Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Militares de Abril: casamento gay é «aberração». TVI24. PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Quarta, 17 Fevereiro 2010 20:22

Carta Aberta tem 25 assinaturas. Manifestação nacional convocada para este sábado

 

 

Um grupo de militares de Abril vai entregar uma Carta Aberta contra a lei que permite o casamento entre homossexuais, que considera ser uma «aberração». A Plataforma Cidadania Casamento anunciou ainda em conferência de imprensa que no sábado haverá uma manifestação nacional, em Lisboa, contra a lei aprovada e pela realização de um referendo.

A Carta Aberta já tem 25 assinaturas de militares, mas um dos assinantes, o general Garcia Leandro, admite que «amanhã sejam mais», informa a Lusa.

Numa conferência de imprensa realizada hoje pela Plataforma Cidadania Casamento, que defende um referendo ao casamento entre homossexuais, o general lembrou que esta carta «teve de ser feita à pressa», tal como o diploma aprovado este mês no parlamento.

«Nem que eu tivesse que ser expulso do país, nem que eu estivesse sozinho, eu não calava a minha voz. Isto é uma aberração e vai contra a estrutura da família», disse o general Garcia Leandro, lembrando que «o casamento heterossexual é o único que permite a procriação».

«Os militares não têm mais direitos do que as outras pessoas, mas acontece que os militares que fizeram o 25 de Abril foram pessoas que arriscaram toda a sua carreira por algo em que acreditavam», lembrou o general.

Os militares «não querem arranjar problemas ao poder político, mas o poder político também não pode criar problemas», sublinhou. Para o general, o diploma aprovado no passado dia 11 na Assembleia da República foi «uma decisão demasiado forte que vem contra um conceito histórico e que vai destruir a família».

Garantindo que não está contra ninguém, o militar defendeu que se pode «conciliar os direitos homossexuais com os direitos da família tradicional. Não se pode é chamar casamento. Isso é uma aberração».

«O PS está de tal modo inseguro que impôs a disciplina de voto, porque 50 por cento das pessoas que votaram no PS estão contra isto», defendeu o general, na conferência em que foi anunciada uma manifestação nacional para este fim-de-semana em Lisboa.

Nos últimos dias, a Plataforma Cidadania Casamento criou por todo o país Comités Família e Casamento, que têm promovido acções junto das populações.

 

Ler notícia no contexto original