Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Sócrates satisfeito por promulgação de lei "progressista e de futuro". Semanário Expresso online. PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Terça, 18 Maio 2010 16:00

O primeiro ministro José Sócrates manifestou-se satisfeito pela decisão do Presidente da República de promulgar a lei sobre o casamento homossexual, um diploma que considerou "progressista e de futuro" que ajuda a ter "um país melhor".

Por Agência LUSA

 

O primeiro ministro manifestou-se hoje satisfeito pela decisão do Presidente da República de promulgar a lei sobre o casamento homossexual, um diploma que considerou "progressista e de futuro" que ajuda a ter "um país melhor".  
 
Em conferência de imprensa em Madrid, à margem da cimeira UE-América Latina e Caribe, José Sócrates recordou que lutou pela lei "mais de um ano" e que integrava a moção de estratégia que apresentou ao partido e o programa eleitoral do PS.   

"Foi apresentada pelo Governo para podermos ter em Portugal um país melhor, com a redução do que considero ser uma discriminação sem sentido", afirmou.  
 
"Vai entrar em vigor em nome de visão progressista e de futuro, mais otimista quanto a redução das diferenças e discriminação na sociedade", sublinhou.  

  

  

"Vitória de todos" 

O primeiro ministro insistiu que a lei "não é uma vitória de ninguém sobre ninguém nem de nenhum grupo sobre nenhum grupo" sendo antes uma "vitoria de todos" que ajuda a criar uma "sociedade com menos discriminação, melhor".
 
A lei, referiu, foi feita com o mesmo "espírito progressista" com que o Governo avançou com outras iniciativas, como o referendo sobre a interrupção voluntária da gravidez "para combater o aborto clandestino", a lei sobre procriação medicinalmente assistida, a lei do divórcio ou a da paridade.
 
"São leis que ressaltam a nossa visão progressista para a nossa sociedade. Damos assim um passo no sentido certo e histórico", afirmou.

 

Ler notícia no contexto original