Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Conferência Episcopal lamenta falta de alternativas ao casamento gay. Jornal Público. PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Terça, 18 Maio 2010 12:52

Texto por Agência LUSA/Público

Foto de Erin Siegal/Reuters 

 

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa sublinha que ??a Igreja não tem atitudes discriminatórias contra ninguém? mas lamenta que o casamento homossexual tenha sido promulgado, defendendo que se deveria ter tentado encontrar outras soluções que permitissem legalizar a união entre pessoas do mesmo sexo, sem recorrer à figura jurídica do casamento.

??A Igreja não tem atitudes discriminatórias contra ninguém e está plenamente convencida de que a situação destas pessoas poderia ser resolvida de um modo diferente. Isto é, não equiparando ao estatuto da família?, afirmou o arcebispo Jorge Ortiga, numa reacção à promulgação do diploma que legaliza o casamento entre homossexuais pelo Presidente da República, Cavaco Silva, anunciada ontem oficialmente.

Para o prelado, os casais do mesmo sexo ??poderiam ficar com os seus direitos e com as suas obrigações salvaguardadas através de outro estatuto?. ??Tal como se faz em muitos outros países da Europa. E países desenvolvidos?, acrescentou.
 Casal lésbico

Questionado sobre se a alternativa ao casamento poderia ser o registo civil das uniões homossexuais, o responsável pela Conferência Episcopal Portuguesa considerou que essa poderia ser ??uma questão a estudar?. ??Parece-nos que o estatuto de família é algo que tem um campo muito específico, com um enquadramento que lhe é próprio?, argumentou, frisando que a posição por si expressa tinha sido já referida pelo Papa Bento XVI, durante a visita a Portugal, na semana passada.

Na passada quinta-feira, em Fátima, no encontro com as organizações da Pastoral Social, Bento XVI afirmou: "As iniciativas que visam tutelar os valores essenciais e primários da vida, desde a sua concepção, e da família, fundada sobre o matrimónio indissolúvel de um homem com uma mulher, ajudam a responder a alguns dos mais insidiosos e perigosos desafios que hoje se colocam ao bem comum."

Ontem à noite, poucos dias após a visita papal, Cavaco Silva anunciou a promulgação do diploma que previa a legalização do casamento homossexual, uma decisão que tomou muito contrariado e com a crise no pensamento. Segundo o Presidente, o seu "sim" pretendeu evitar mais problemas "face à dramática situação em que o país se encontra".

 

Ler notícia no contexto original