Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Assunção Cristas: Deputada do PP é a favor do casamento gay mas votou contra. Jornal Público. PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Quarta, 02 Junho 2010 20:12

Paulo Portas ficou impressionado ao ver Assunção Cristas no programa Prós e Contras a defender, de forma aguerrida, o ??não? no referendo sobre a despenalização do aborto. Pediu o número de telefone dela e contactou-a. Ela aceitou o convite para entrar na política e no PP. Quando chegou a hora de votar no Parlamento sobre o casamento homossexual, o que fez? Este é um extracto da entrevista que a deputada deu a Anabela Mota Ribeiro. 

 

Texto por Anabela Mota Ribeiro

Foto de Clara Azevedo

 

Extractos da entrevista:

??Eu seria favorável a um casamento [entre pessoas do mesmo sexo]. O que pode parecer uma posição estranha da minha parte. Muita gente me aborda achando que sou contra; mas não sou. Curiosamente, desagradei a toda a gente. Os que concordavam comigo reclamaram, mesmo com a declaração de voto, por acharem que isso não servia de nada. E reclamaram comigo os que achavam que eu devia ser radicalmente contra e, no final, tinha feito uma declaração de voto; então, que tivesse sido contra! Fiz o que podia fazer, de acordo com a minha consciência. Dou muito valor ao contrato com o eleitorado. ? mau dizer-se uma coisa e fazer-se outra. Todos cedemos um bocadinho para que fique espelhada a sensibilidade maioritária. Tenho amigos próximos que me fazem ver as coisas de outra maneira.
Assunção Cristas

Fazem-me perceber que são pessoas iguais a nós, com tanto desejo e expectativa de ter uma vida feliz como nós. O que digo aos meus amigos que não entendem esta minha posição é que há um caminho de felicidade que não pode ser fechado, sobretudo quando os valores dessas pessoas não comprimem os nossos. Não acho que isto seja um ataque à família ??tradicional??.?

 

Ler notícia no contexto original