Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Parlamento cubano irá debater este ano as uniões entre homossexuais. Jornal Público. PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Terça, 17 Janeiro 2012 18:00

Filha do Presidente Raúl Castro espera que a conferência do PC cubano ajude a desbloquear a nova legislação

 

Texto de Isabel Gorjão Santos, com agências

 Foto de Adalberto Roque/AFP

 

O Parlamento cubano deverá debater este ano a legislação sobre uniões entre pessoas do mesmo sexo, uma iniciativa que visa combater a discriminação no país, anunciou nesta segunda-feira a sexóloga Mariela Castro, filha do Presidente cubano Raúl Castro.

Mariella Castro é directora do Centro Nacional para a Educação Sexual em Cuba (Cenesex) e foi uma das principais promotoras da proposta legislativa sobre as uniões entre pessoas do mesmo sexo. O objectivo, disse, é ??responder à necessidade de reconhecer e proteger, de forma firme, os direitos de toda a população?.

Não está em causa o casamento, mas sim a união entre pessoas do mesmo sexo. Mariela Castro disse esperar que a conferência do Partido Comunista em Cuba, prevista para o próximo dia 28, adopte ??uma política de não discriminação? que abra caminho à discussão de uma nova lei pelo Parlamento, a qual deverá ter lugar este ano.

 

Mariela Castro

 

Mariela Castro espera que seja definida uma política de não discriminação.

 ??Como indicou a ministra da Justiça [María Esther Reus], a discussão sobre este tema está inscrita no plano legislativo de 2012?, adiantou Mariela Castro, citada pela AFP. Há vários anos que a filha de Raúl Castro tem levado a cabo uma campanha a favor do reconhecimento dos direitos dos homossexuais num país onde a homossexualidade tem sido estigmatizada e reprimida desde a revolução cubana de 1959. Na década de 1960 chegou a haver internamentos de homossexuais em campos de trabalho, sublinhou a agência francesa, mas nos últimos anos Mariela Castro e vários intelectuais e artistas têm feito campanha pelo fim da discriminação.

A proposta de lei que deverá ser debatida implica uma alteração do Código da Família cubano de forma a legalizar a união entre homossexuais. O projecto já foi submetido à avaliação de juristas do Ministério da Justiça e outros profissionais da União Nacional de Juristas?, adiantou Mariela Castro.

Em declarações ao site estatal ??Cuba Si?, a filha de Raúl Castro disse estar confiante de que será adoptada uma ??política de não discriminação? na conferência do PC cubano. ??Acredito que a conferência do partido irá ajudar a definir explicitamente uma política de não discriminação em função da orientação sexual e identidade de género que ajudará a pôr fim aos entraves à aprovação no Parlamento?, adiantou.

Em 2008 o Governo cubano aprovou, através de uma resolução ministerial, a realização de operações para a mudança de sexo, mas o Parlamento não avançou com reformas relativas ao Código da Família. A Conferência Nacional do PC cubano tem gerado expectativas quanto à possibilidade de serem decididas mudanças relacionadas com a renovação do partido, ainda que Raúl Castro já tenha defendido que o encontro será ??uma questão interna?. O presidente do Parlamento, Ricardo Alarcón, defendeu em declarações à agência EFE que ??a renovação é absolutamente indispensável em tudo na vida, absolutamente em tudo?.

 

Ler notícia no contexto original