Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Federação pela Vida quer que Parlamento altere leis do aborto e do divórcio. Jornal Público. PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Sexta, 16 Março 2012 00:17

Texto de Alexandra Campos

Foto de Pedro Cunha

 

A Federação Portuguesa Pela Vida lança esta sexta-feira uma petição que visa a alteração de leis que defende estarem a ??corroer o tecido social do país?, como os diplomas que permitiram o casamento entre pessoas do mesmo sexo, o que despenalizou o aborto até às 10 semanas e o que facilitou os divórcios.

 

Intitulada ??Defender o Futuro?, a petição vai ser lançada no 2º Congresso da Federação Portuguesa Pela Vida (FPV) e tem o apoio de figuras públicas como Bagão Félix, Gentil Martins, Braga da Cruz, Ribeiro e Castro e João César das Neves.
 

 Isilda Pegado

Isilda Pegado presidente da Federação Portuguesa pela Vida.

??Portugal afunda-se hoje numa profunda crise económica e social, a que não é alheia a teia legislativa dos últimos seis anos de governação, destruidora dos pilares estruturantes da sociedade?, sustentam os autores da petição.

Além das leis acima referidas, pretendem que o Parlamento altere ou revogue, no todo ou em parte, outros diplomas, como o da Procriação Medicamente Assistida e embriões excedentários, a lei sobre educação sexual e o decreto-lei sobre o financiamento do ensino particular e cooperativo.

Recordando que estas leis ??foram sempre objecto da voz crítica do Presidente da República?, os autores da petição consideram que as alterações que preconizam serão ??instrumentos indispensáveis para saldar o défice e a dívida, assegurar a sustentabilidade do Estado Social e sair da crise em que o Governo anterior nos deixou?.

Em entrevista à Agência Eclesia, a presidente da FPV, Isilda Pegado, considera mesmo que os diplomas aprovados pelo anterior Governo ??foram, em larga escala, causa da crise que Portugal está a atravessar?, sobretudo ao nível da ??estruturação da sociedade? e da ??natalidade?. ??Com a mudança ocorrida na política portuguesa, não há razão nenhuma para as normas se manterem como estão?, acrescenta.

 

Ler notícia no contexto original

Actualizado em Sexta, 16 Março 2012 00:39