Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Activista pelos direitos dos homossexuais condenado por 'propaganda'. Semanário Sol. PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Sexta, 04 Maio 2012 13:48

bandeira LGBT

Um conhecido activista russo foi hoje condenado por espalhar «propaganda homossexual» entre menores. ? a primeira decisão do género na história recente da Rússia. O condenado vai recorrer.
Nikolai Alexeyev disse à Associated Press que um tribunal de São Petersburgo o condenou a pagar cerca de 130 euros (cinco mil rublos) por alegadamente ter violado uma lei controversamente aprovada em Fevereiro pelos deputados da segunda maior cidade russa.

Os activistas pelos direitos dos homossexuais dizem que a legislação poderá ser usada para impedir manifestações.

Nikolai Alexeyev foi brevemente detido no mês passado depois de ter colocado um cartaz na Câmara da cidade onde se lia: «A homossexualidade não é uma perversão».

Conhecida a condenação, alega que o juiz não fundamentou a decisão e que o acórdão só estará disponível na próxima semana.

A homossexualidade foi descriminalizada na Rússia em 1993 mas o sentimento homofóbico é ainda forte, refere a Associated Press.

O pedido de uma parada gay às autoridades de Moscovo foi recusado, com o histórico autarca Yuri Luzhkov a dizer que tais manifestações são «satânicas» e o seu sucessor, Sergei Sobyanin, a justificar a sua desaprovação dos encontros entre homossexuais com o facto de ofender as crenças religiosas de muitos russos.

Nikolai Alexeyev diz que irá até ao Tribunal Constitucional e ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos se as instâncias superiores russas mantiverem a sua condenação.

Yuri Gavrikov, líder do movimento LGBT Equality sedeado em São Petersburgo, diz que a decisão é «absurda» e que «não havia crianças onde Nikolai Alexeyev mostrou o cartaz».

 

Ler notícia no contexto original