Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Mulher condenada por tentar asfixiar namorada. TVI 24. PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Terça, 03 Julho 2012 11:01

Dois anos de prisão suspensa para crime de violência doméstica entre casal lésbico

 

O tribunal de Matosinhos aplicou hoje uma pena de dois anos e dois meses de prisão, suspensa por igual período, a uma mulher que maltratou a companheira com quem viveu numa relação análoga à do casamento.

Na leitura da sentença, o juiz disse ter ficado provado que a arguida cometeu a quase totalidade dos factos descritos na acusação, incluindo uma tentativa de asfixia da vítima, em novembro do ano passado.

O magistrado alicerçou a sua convicção sobretudo no testemunho da vítima, que considerou «convincente».

Na avaliação do tribunal, a arguida - que se manteve em silêncio durante o julgamento - revelou «desconsideração pela dignidade» da mulher com quem vivia em união de facto, tentando «subjugá-la» à sua vontade.

O crime de violência doméstica é punível com dois a cinco anos de prisão e a opção por uma pena próxima da mínima tem em conta que a arguida não tem antecedentes criminais, assinalou o juiz.

A execução da pena fica suspensa com a condição de a arguida não voltar a maltratar a vítima, quer física, quer psicologicamente, acrescentou.

A defesa disse à Lusa que só decide se recorre do veredicto após analisar a sentença detalhadamente.

As duas mulheres associadas a este processo são antigas jogadoras de futebol e os factos que deram origem à condenação ocorreram no ano passado, a maioria na residência comum que as duas mulheres tinham comprado, em Custóias, Matosinhos.

 

Ler notícia no contexto original