Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Homossexuais Católicos manifestam 'profundo desalento' com escolha de cardeal Bergoglio. Semanário Sol PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Administrator   
Quarta, 13 Março 2013 23:13

Por Sol/LUSA

 

 

bonecos

 

 

A Associação Rumos Novos - Homossexuais Católicos manifestou hoje o seu "profundo desalento" pela escolha do cardeal argentino Jorge Bergoglio como sucessor de Bento XVI, pelas suas posições contra a homossexualidade e o casamento entre pessoas do mesmo sexo.
Jorge Mario Bergoglio, de 76 anos, natural da Argentina, foi hoje eleito Papa, adoptando o nome de Francisco.

"Neste momento de alegria para todos nós católicos, não podemos deixar de partilhar o nosso profundo desalento pela escolha do cardeal argentino Jorge Bergoglio para Papa. Enquanto homossexuais católicos, não nos podemos esquecer das inúmeras posições públicas e no seio da igreja do cardeal Bergoglio", afirma a Associação Rumos Novos em comunicado.

Os homossexuais católicos recordam que o novo Papa, Francisco, se referiu ao casamento entre pessoas do mesmo sexo como sendo "um plano de Satanás para enganar os filhos de Deus" e às pretensões dos fiéis homossexuais católicos como a "destruição do plano de Deus".

A associação admite que estas palavras causaram "mágoa e dor a muitos homossexuais católicos em todo o mundo", deixando-os "naturalmente apreensivos" sobre a postura da igreja.

"Um novo Papa deveria, obedecendo a Deus, estar ao serviço do Homem e saber ler os sinais dos tempos", defendem, recordando o Concílio Vaticano II.

Perante a escolha do nome Francisco pelo novo chefe da igreja Católica, a associação espera que "possa, efectivamente, vir a ser o espelho de uma opção pelos desfavorecidos, os excluídos e os marginalizados, na sociedade e no seio da Igreja Católica, em particular que finalmente haja uma mensagem de conforto e verdadeiro acolhimento, particularmente em relação aos fiéis homossexuais católicos".

 

 

Ler notícia no contexto original