Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Manifestação por um referendo é sábado na Av. Liberdade. Jornal Destak. Versão para impressão Enviar por E-mail
Quarta, 17 Fevereiro 2010 18:57

A Plataforma Cidadania Casamento realiza no sábado uma manifestação em Lisboa que deverá reunir simpatizantes de todo o país na luta por um referendo à lei que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

 

Por Destak/Agência LUSA

 

[O] diploma foi aprovado este mês na Assembleia da República, mas para na plataforma ainda existe esperança: "a lei foi remetida para o Presidente da República e ainda é desconhecida a sua decisão".

Contra a "imposição de um modelo de sociedade" que vê a homossexualidade como uma "moral do Regime", a Plataforma Cidadania Casamento decidiu promover uma manifestação "em defesa dos direitos do casamento entre homens e mulheres".

De acordo com a porta-voz do movimento, Isilda Pegado, a plataforma é a "expressão de uma vontade popular", é a face da "insatisfação que o povo tem em ver aprovada esta lei".

A poucos dias da manifestação, os responsáveis não conseguem antever qual será a adesão à iniciativa, mas lembram que em pouco tempo conseguiram recolher mais de 90 mil assinaturas.

Nos últimos dias, os 19 comités regionais da plataforma têm trabalhado afincadamente para o sucesso da manifestação de sábado, que "não pretende ser contra ninguém", sublinhou Isilda Pegado.

Os comités regionais "têm promovido encontros, debates" e estão a organizar autocarros para garantir que não faltará ninguém por falta de meio de transporte.

A manifestação começa às 15:00 no Marques de Pombal e vai descer a Avenida da Liberdade até à Praça dos Restauradores, onde vai decorrer a Festa da Família.

Isilda Pegado voltou hoje a afirmar que a Plataforma vai continuar a sua actividade até que a população seja ouvida.

 

Ler notícia no contexto original