Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

"A mobilização no País é enorme". Jornal Diário de Notícias. Versão para impressão Enviar por E-mail
Quinta, 18 Fevereiro 2010 10:26

Já há 19 comités locais para garantir participação na manifestação de sábado contra lei do Governo

 

Texto de Rita Carvalho

Foto de Manuel Salvado

 

 ConferênciaEm Mora, Dimas Galvão espalhou cartazes, enviou centenas de e-mails para amigos e conhecidos e bateu a todas as portas, desde a junta de freguesia à câmara, passando pela paróquia. A todos deixou uma dupla mensagem: de contestação à lei que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo e de apelo à participação na manifestação nacional que decorrerá no sábado em Lisboa. Isto numa altura em que a lei já foi aprovada no Parlamento e aguarda a promulgação do Presidente da República, Cavaco Silva.

Com este responsável do comité de Mora, também pai de dois filhos, rumarão à Avenida da Liberdade várias centenas de pessoas para participar na manifestação organizada pela Plataforma Cidadania e Casamento, o movimento cívico que recolheu mais de 90 mil assinaturas a pedir um referendo. Bem como de todo os cantos do País, acrescenta Isilda Pegado, porta-voz deste grupo de cidadãos que ontem deu a conhecer o manifesto e a estrutura do evento.

A organização não arrisca números de participantes, mas explica que estão a ser organizados autocarros que saem de vários pontos do território e que se en- contrarão ao início da tarde em Lisboa. "A mobilização é enorme. Continuamos a receber da parte da sociedade um apelo fortíssimo para que se dê a conhecer aos órgãos de soberania a insatisfação que o povo tem pela aprovação desta lei", afirmou Isilda Pegado.

A jurista esclarece que esta não é uma manifestação contra os casais homossexuais , mas pela "liberdade de o povo decidir quais os destinos do seu país". Com este sinal de protesto, acrescenta Isilda Pegado, a plataforma quer ainda "denunciar a imposição estrutural que o Estado pretende fazer, ao impor um modelo de sociedade com o qual esta não se conforma".

António Pinheiro Torres, outro porta-voz da Plataforma, acredita que a manifestação será expressiva. "Se corresponder à indignação nacional que sentimos durante a recolha de assinaturas, será uma grande manifestação", afirmou.

Além do comité de Mora, que contou com a mobilização de Dimas Galvão, nas últimas semanas foram criadas mais 18 unidades locais, um pouco por todo o País. Estes núcleos destinam-se a promover o debate sobre o tema e a mobilizar os cidadãos para as futuras iniciativas da Plataforma.

Os mandatários criticaram ainda o que dizem ser ideias erradas sobre a adopção veiculadas pelo PS, para "enganar a opinião pública". "A ideia de que os casais homossexuais vão fazer um trabalho meritório porque vão tirar crianças das instituições é errada. As listas para adopção estão cheias de pais à espera", disse Isilda Pegado.

 

Ler notícia no contexto original