Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

PSD quer apurar condições de apoio camarário a campanha da ILGA. Semanário Sol online. Versão para impressão Enviar por E-mail
Quarta, 24 Fevereiro 2010 13:33

O grupo do PSD na Assembleia Municipal de Lisboa entregou hoje um requerimento de esclarecimento sobre as condições do apoio camarário a uma campanha da ILGA ?? Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero, questionando os motivos da participação autárquica

 

Por Agência LUSA/SOL

 

Segundo o documento, disponibilizado à Lusa, o objectivo é saber «com urgência» se o apoio foi decidido em reunião de câmara e qual o pelouro responsável e apurar quantos suportes de publicidade (mupis) foram cedidos, eventuais isenções de taxas de publicidade e que valor de taxas seria aplicável a uma campanha publicitária comercial em moldes idênticos.

Em causa estão cartazes que incluem o símbolo do município e mostram uma mulher e uma criança e a legenda 'Se a tua mãe fosse lésbica, mudava alguma coisa?'.

No entanto, para o presidente do grupo municipal do PSD, António Prôa, não basta apenas questionar os valores e as condições do apoio camarário, mas também a possibilidade de a iniciativa servir de «carta de intenção» para uma eventual tomada de posição do PS na Assembleia da República.

«O que mais nos preocupa é o que isto significa em termos de estarmos ou não a preparar o caminho para um próximo passo, que é a adopção por casais homossexuais», afirmou o responsável, para quem a campanha remete para a defesa deste direito «sob a pretensão de uma mensagem anti-homofobia».

«O Governo do PS tomou uma posição contrária à adopção por homossexuais e esta posição da câmara [de maioria socialista] deixa antever que, afinal, se calhar não é bem assim», sustentou.

No requerimento, o grupo do PSD refere que a câmara «patrocinou uma campanha que configura a defesa de um ato não permitido pela lei portuguesa» e relativo a um «tema fracturante da sociedade portuguesa».

 

Ler artigo no contexto original