Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

CDS-PP contra casamento homossexual diz que desemprego é prioridade. SIC. Versão para impressão Enviar por E-mail
Sexta, 09 Abril 2010 00:44

O CDS-PP voltou esta quinta-feira a manifestar-se contra o casamento homossexual, no dia em que Tribunal Constitucional (TC) confirmou a constitucionalidade de uma proposta de lei que os democratas cristãos
reiteram que "não é prioritária" face ao "desemprego galopante".

 

Texto de Agência LUSA 

 

 Filipe Lobo D'Ávila

Na sequência de um pedido do Presidente da República de fiscalização preventiva de quatro artigos do diploma que prevê o casamento homossexual, o TC aprovou a sua constitucionalidade, considerando que o matrimónio entre pessoas do mesmo sexo não colide com o reconhecimento e a proteção da família como "elemento fundamental da sociedade".

Reagindo ao acórdão, o deputado do CDS-PP Filipe Lobo D'Ávila reiterou à agência Lusa que a proposta de lei "não é prioritária", quando "os problemas do país são o aumento das falências" das empresas e "o desemprego galopante".

O parlamentar lembrou que o seu partido defende "a manutenção da figura jurídica do casamento tal como existia", ou seja, o matrimónio entre pessoas de sexos distintos.

O CDS-PP, adiantou Filipe Lobo D'Ávila, continua, por outro lado, "a ter dúvidas" em relação ao artigo "mais polémico" e que "não foi escrutinado" pelo Tribunal Constitucional, o de que "qualquer interpretação" sobre a adoção pelos tribunais "não pode ser no sentido de que o casamento implique a adoção".

A proposta de lei que legaliza o casamento homossexual foi aprovada pela Assembleia da República em votação final global a 11 de fevereiro, com os votos favoráveis do PS, BE, PCP e Partido Ecologista "Os Verdes".

O diploma retira do Código Civil a expressão de "sexo diferente" na definição do casamento, mas impede a adoção a pessoas casadas do mesmo sexo.

 

Ler notícia no contexto original