Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

"Decidi promulgar a lei que permite casamentos entre o mesmo sexo". Jornal de Negócios Online. Versão para impressão Enviar por E-mail
Segunda, 17 Maio 2010 20:41

Cavaco Silva decidiu hoje promulgar a lei que permite casamentos entre o mesmo sexo, argumentando que o momento de crise que o país enfrenta acarreta uma responsabilidade que "tem que se sobrepor a uma convicção pessoal".

 

Cavaco Silva decidiu hoje promulgar a lei que permite casamentos entre o mesmo sexo, argumentando que o momento de crise que o país enfrenta acarreta uma responsabilidade que ??tem que se sobrepor a uma convicção pessoal?.

O Presidente da República lamentou que não tenha havido um combate político para alcançar um consenso partidário, mas que face à ??grave? crise que o país atravessa ??importa promover a união dos portugueses e não dividi-los?.


Cavaco Silva lamentou mesmo que o Parlamento português não tenha aprovado uma solução jurídica mais consensual para as uniões entre homossexuais e com um nome diferente do casamento.

"Bastava ter olhado para as soluções jurídicas encontradas em países como a França, a Alemanha, a Dinamarca ou o Reino Unido, que, como é óbvio, não são discriminatórias e respeitam a instituição do casamento enquanto união entre homem e mulher", sublinhou Cavaco Silva.


Cavaco Silva assumiu-se contra o casamento homossexual e remeteu para esses países em que a união entre pessoas do mesmo sexo não é classificada de ??casamento? e ??não me parece honestamente que se possa classificar esses países de retrógrados?.

O Presidente da República acrescentou que mesmo que vetasse a lei, ela seria novamente votada e passaria. Por isso, ??não devo contribuir para arrastar inutilmente este debate?.

Recorde-se que este diploma teve origem numa proposta do Governo e foi aprovado pelo Parlamento em votação final global no dia 11 de Fevereiro com os votos favoráveis do PS, BE, PCP e PEV e contra do CDS-PP.

No PSD houve liberdade de voto e seis deputados abstiveram-se, enquanto os restantes votaram contra a alteração da noção de casamento estabelecida no Código Civil. 

 

Ler notícia no contexto original