Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Activistas gay acusam Quim Barreiros de ter canção "homofóbica". Jornal de Notícias. Versão para impressão Enviar por E-mail
Quarta, 26 Maio 2010 13:39

Nuno Miguel Ropio

 

Activistas LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgénero) acusam de ??sexista?, ??discriminatória? e ??homofóbica? a nova música de Quim Barreiros, que dá pelo nome de ??Casamento gay? e integra o seu novo trabalho discográfico ??Deixai-Me Chutar?.

Se, até agora, apesar da jocosidade das suas canções e dos significados implícitos, nunca o autor de ??A Cabritinha? ou ??Bacalhau à Portuguesa? tinha chegado ao ponto de usar calão, tal regra não foi agora cumprida.

Se não vejamos: ?? Os políticos aprovaram o casamento gay. Nem todos estão de acordo com a aprovação da lei. O Zezinho ??paneleiro?? casou com o Manuel das ??tricas??. E convidaram a família, os amigos e os ??maricas??. Um casamento ??panasca?? com muita animação?.

 

??Este é um registo de um cantor profundamente sexista, que usa palavras que são claramente usadas como fonte de discriminação contra a qual lutamos?, denuncia, ao JN, Paulo Jorge Vieira, da associação LGBT e feminista ??Não te prives?. ??Esta é uma atitude preocupante quando sabemos que se trata de alguém bem conhecido que está a reforçar a homofobia com a sua música?, acrescenta o activista, admitindo que é necessário analisar se tal composição configura ou não crime.

??O ??artista?? acrescenta ao extremo sexismo de composições anteriores, a homofobia mais primária, no mau gosto de sempre. Ele próprio tenta vender um estereótipo de macho latino boçal, que nada corresponde à percepção que hoje o conjunto da sociedade tem dos temas da igualdade e dos direitos humanos?, admite, por outro lado, João Carlos Louça, activista da ??Panteras Rosa?, que vai um pouco mais longe: ??Estou convencido que Quim Barreiros não ficará em nenhuma página relevante da história da cultura popular do nosso país?.

 

Ler notícia no contexto original

Actualizado em Segunda, 31 Maio 2010 13:47