Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Adoção homossexual: PS e PCP querem debate mais alargado. TVI24. Versão para impressão Enviar por E-mail
Sexta, 24 Fevereiro 2012 13:18

Parlamento debate hoje projetos do BE e dos Verdes que visam acabar com a proibição de casais homossexuais adotarem menores

 

PS e PCP defenderam esta sexta-feira um debate mais profundo e alargado sobre a adoção por casais homossexuais antes de ser alterada a legislação. A posição dos partidos foi manifestada durante a discussão no Parlamento dos projetos do BE e dos Verdes sobre esta matéria.

A direção da bancada socialista deu liberdade de voto aos deputados em relação aos projetos dos Verdes e do Bloco de Esquerda, que serão votados esta sexta-feira pelo plenário, e que visam acabar com a proibição de casais homossexuais adotarem menores.

A deputada do PS Isabel Oneto afirmou que «a posição do PS em relação a esta matéria» é considerar que existe a «necessidade de um maior debate sobre as consequências» da adoção de uma criança por casais do mesmo sexo, escreve a Lusa.

A deputada disse que, para o PS, aquilo que está em causa «não é tanto a questão da igualdade, de casais homossexuais terem os mesmos direitos que casais heterossexuais», sublinhando que foram os socialistas que aprovaram o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

«A questão está na criança, saber qual é de facto o melhor interesse da criança e, acima de tudo, o que visa o instituto da adoção».

Também o PCP, através do líder parlamentar, Bernardino Soares, defendeu «a necessidade de prosseguir o debate e o esclarecimento sobre a questão» para justificar a rejeição dos projetos que serão submetidos a votação.

Para os comunistas, não estão neste momento «criadas as condições para uma alteração da lei» como propõem as iniciativas do BE e dos Verdes.

 

Ler notícia no contexto original