Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Os filhos da mentira. Jornal Voz da Verdade. Pe Gonçalo Portocarrero de Almada. Versão para impressão Enviar por E-mail
Domingo, 22 Janeiro 2012 00:00

O milagre da multiplicação dos pais e das mães

 

               Pe Gonçalo Portocarrero de Almada

Pe Gonçalo Portocarrero de Almada

 

Jesus Cristo fez o milagre da multiplicação dos peixes e dos pães, mas a ideologia de género faz mais: multiplica, desgraçadamente, os pais e as mães.

 

Com efeito, se uma criança pode ter duas «mães», a verdadeira e a falsa, já que não pode ter sido gerada por ambas, pode ter muitas mais. De facto, se a verdadeira mãe morre, ficando a sua geração ao cuidado da falsa e a dita «viúva» casar com outra, também esta será, pela mesma razão, «mãe» da dita descendência, portanto sua «mãe» duplamente falsa. Se aquela «viúva» morrer e lhe sobreviver a pessoa com quem casou, em segundas núpcias, pode esta, a dita «mãe» duplamente falsa, por sua vez casar com uma nova mulher, que será portanto a quarta «mãe» da criança em causa, ou sua «mãe» triplamente falsa. Portanto, se mãe verdadeira há só uma, falsas podem ser três ou mais!

 

O mesmo se diga dos «pais». O finlandês Juha Jämsä, casado com o pai de três filhos, que têm mãe, também quer ser «pai» deles: se o conseguir, os ditos terão simultaneamente três «pais» legais: dois progenitores mais um falso pai. Se a mãe voltar a casar com um homem, ainda podem ter quatro: uma mãe e três «pais»!

 

E se dois homens casados quiserem adoptar um órfão? Não é possível, porque a lei nacional não o permite. Que fazer? Basta dar prioridade ao «interesse da criança», em detrimento da ideia de que a adopção deve imitar a «reprodução biológica». Quer isto dizer que um menor deveria poder ser adoptado por uma banda de música, um sindicato ou por uma grande superfície. Genial, não é?

 

E, ainda, se uma mulher quiser ter um filho, mas não casar? Não pode porque, segundo a actual legislação portuguesa, a procriação medicamente assistida só é viável a pedido da mulher e do seu marido. Mas ?? contradizem os activistas da ideologia de género ?? é uma «violência» obrigar uma mulher a casar, ainda por cima com um homem, para que possa recorrer à fecundação artificial! Se for, também o será que, para casar ou conceber, precise de alguém? Se a geração é um direito individual, invente-se então a reprodução assexuada!

 

Dois conceitos a distinguir: matrimónio e filiação. São cônjuges os casados, são progenitores os pais. O marido da mãe não é, necessariamente, o pai dos filhos dela, nem a mulher do pai é, por força, mãe da geração dele. Por isso, o marido da mãe que não é pai, é padrasto; e madrasta a mulher do pai, que não é mãe. Substituir padrasto ou madrasta por «pai» ou «mãe» é mentir ao filho sobre a sua identidade e filiação.

 

Há quem entenda que é a competência parental que conta e não a consanguinidade. Mas então, a adopção deveria ser concedida a equipas de especialistas: quinze «pais» peritos em puericultura, culinária infantil, pedopsiquiatria, línguas estrangeiras e dança substituiriam, com vantagem, pai e mãe, ou duas «mães» ou «pais» menos versáteis.

 

Mais ainda: se é a competência que interessa e não o parentesco, então mesmo o filho do casal natural, pai e mãe à antiga portuguesa, não deveria ser dado aos seus progenitores, como exige a ideologia de cariz biologista, mas entregue ao Estado, que depois o adjudicaria aos que provassem ser os «pais» mais aptos. Assim sendo, todos os cidadãos portugueses que quisessem «ter» geração, mas não «ser» pais, deveriam provar as suas aptidões parentais em exames nacionais: ser-lhes-iam depois dadas as crianças disponíveis, consoante as suas notas. Logicamente, o primeiro classificado teria direito ao bebé do ano.

 

Foi à revelia da vontade popular que Portugal entrou no restricto grupo dos países que apostaram na falsificação da família e do matrimónio naturais e, pelo menos 62% dos portugueses, não quer que casais do mesmo sexo possam adoptar menores.

 

Os recém-nascidos têm direito à família de que e em que nasceram: ao pai e à mãe que os geraram. Só a sua inexistência, ou manifesta incapacidade, pode legitimar a sua substituição por pais adoptivos. Mas nunca dois «pais» ou duas «mães», um verdadeiro e outro falso, porque uma mãe não é outro pai, nem o pai uma outra mãe. Além do mais, o pai do filho de duas «mães», como a mãe do filho de dois «pais», não podem, nem devem, ser excluídos da relação parental.

 

Esta não é, apenas, mais uma causa fracturante, mas uma questão aberrante, porque a adopção por casais do mesmo sexo é contrária à dignidade humana e ao superior interesse das crianças.

 

Ler artigo no contexto original

Actualizado em Quinta, 12 Abril 2012 10:18