Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Coadoção sem problemas de constitucionalidade. Jornal Diário de Notícias. Versão para impressão Enviar por E-mail
Domingo, 19 Maio 2013 19:11

 

Texto LUSA/ publicado por Susana Salvador

Foto Global Imagens/Orlando Almeida

 

 

 Vital Moreira

 

O constitucionalista Vital Moreira afirmou hoje, em Barcelos, que não vê "problema de constitucionalidade" no projeto de lei da coadoção, sublinhando que se trata de uma matéria de "liberdade do legislador".

 

"? uma questão fundamental de decisão, de liberdade do legislador, não creio que haja problema de constitucionalidade", disse Vital Moreira à Lusa.
Falando à margem das comemorações do Dia do Advogado, Vital Moreira lembrou que a questão da eventual inconstitucionalidade já se tinha posto a propósito do casamento entre pessoas do mesmo sexo.
"Sempre defendi que não havia inconstitucionalidade nenhuma, como o Tribunal Constitucional veio depois a definir", acrescentou.
O parlamento aprovou na sexta-feira, na generalidade, um projeto de lei, apresentado por vários deputados do Partido Socialista, para que os homossexuais possam coadotar os filhos adotivos ou biológicos da pessoa com quem estão casados ou com quem vivem em união de facto.
O também constitucionalista Gomes Canotilho confessou que não tem "grandes opiniões" sobre a eventual inconstitucionalidade do projeto de lei, sublinhando apenas que as pessoas "têm o direito de escolher os seus caminhos", desde que o façam sem "infrações à ordem pública nem aos princípios fundamentais".
"Ao ver alguns filmes que eu vi relativamente a esta problemática, não vale a pena exagerar num discurso de maldades e bondades", acrescentou.
Confessou que, nas discussões familiares que tem sobre o tema, as suas objeções são "criticadas por filha e mulher", para vincar que se trata de uma questão que merece ser encarada "sem preconceitos e sem dogmas".
"Mas não sou eu que iria pôr a questão da inconstitucionalidade", rematou o constitucionalista.

 

Ler notícia no contexto original