Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Isilda Pegado considera que lei de co-adopção discrimina heterossexuais. Rádio Renascença Versão para impressão Enviar por E-mail
Sexta, 19 Julho 2013 23:48

Presidente da Federação Portuguesa Pela Vida afirma que não se deve permitir que os deputados contornem a legislação existente, que "não permite a adopção por pares de homossexuais".

 

 

Parlamento

 

A lei de co-adopção que vai ser votada na especialidade, se tudo correr conforme os planos, na próxima semana, discrimina contra casais heterossexuais. O aviso parte de Isilda Pegado, presidente da Federação Portuguesa Pela Vida, que esta tarde foi ouvida no Parlamento, pela comissão que está a analisar esta proposta de lei.

??A adopção conjugal prevista no código civil aplica-se só no âmbito do casamento. Os unidos de facto heterossexuais não podem co-adoptar, porém os unidos de facto homossexuais, caso esta lei seja aprovada, poderão co-adoptar. Estamos a criar discriminação positiva dos casais homossexuais contra os heterossexuais?, considera.

Por outro lado, explica a activista pró-vida, esta lei não passa de uma forma de tentar contornar a legislação existente, que não permite a adopção por pares de homossexuais: ??Com a adopção agora proposta, adopção feita no singular e depois extensível, no fundo o que se pretende é permitir a adopção por pares homossexuais. Não se pode permitir estas fraudes ou burlas à própria legislação por parte dos deputados?.

A lei da co-adopção foi aprovada na generalidade em Maio, numa votação polémica, em que vários deputados do PSD estavam ausentes do plenário. As audiências terminam esta sexta-feira pelo que na próxima terça-feira haverá uma reunião para se decidir se há condições para se fazer a votação na quarta-feira, dia 24, ou não.

Na véspera da antecipada votação decorre uma vigília diante da Assembleia da República, protagonizada por cidadãos que se opõem a esta lei e que têm encontro marcado para as 21h00.

 

Ler notícia no contexto original