Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Autarca francês disposto a ir preso por não casar homossexuais. França. Rádio Renascença Versão para impressão Enviar por E-mail
Quinta, 24 Outubro 2013 20:15

 

 

Manifestação em França pelo casamento natural
Manifestação em França pelo casamento natural
Tribunal Constitucional decretou que os presidentes da câmara, que naquele país podem oficializar casamentos, não podem invocar objecção de consciência para com os casamentos entre homossexuais.

 Michel Villedey, presidente da Câmara de Thorigné-d??Anjou, está a dar a cara pela liberdade de consciência em França, a propósito do casamento entre homossexuais, e afirma-se disposto a ir preso pelo seu direito de não oficializar essas uniões.

Neste país, os presidentes de câmara podem oficializar casamentos, mas quando foi aprovado o casamento entre homossexuais, vários deixaram claro que não iriam acatar a lei, invocando objecção de consciência.

O caso foi parar ao Tribunal Constitucional que decretou, recentemente, que a objecção de consciência não se aplica nestas situações. Assim, quem recusar pode ir preso, ser sujeito a multa, ou ser destituído das suas funções.

Em declarações ao site ??Tempi.it?, Villedey, porém, diz que está disposto a ir até às últimas consequências e inclusive ser preso. O autarca da pequena localidade de cerca de mil pessoas queixa-se de pressões indevidas por parte do Governo sobre o Tribunal: ??Pressões muito fortes por parte do Governo, do Presidente Hollande, da ministra da Justiça Christiane Taubira e do ministro dos Assuntos Estrangeiros Manuel Valls. O seu objectivo é retirar-nos a liberdade, mas eu nasci livre e quero morrer livre?.

Para Villedey, a objecção de consciência é um direito consagrado na constituição francesa, para além de ter sido prometida, nesta matéria, por Hollande. Mas neste caso está em causa também a vontade popular. ??Somos eleitos pelo povo também por causa das nossas convicções, e o povo tem de ser respeitado?, afirma.

Os autarcas que invocam liberdade de consciência dizem-se dispostos a ir até ao Tribunal Europeu dos Direitos do Homem e pedem que o Governo não transforme a França ??num regime terrorista e ideológico como já foi no passado?.

 

Ler notícia no contexto original