Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Manifesto junta 80 personalidades em defesa de referendo sobre coadoção. SIC. Versão para impressão Enviar por E-mail
Quinta, 13 Março 2014 19:26

Um manifesto hoje revelado junta cerca de 80 personalidades em defesa de um referendo sobre a coadoção de crianças por casais do mesmo sexo, declarando que o referendo é uma "exigência constitucional e politicamente adequada" à matéria em questão.

 

Por Agência LUSA

 

O texto, hoje enviado à agência Lusa, é assinado por figuras como o economista e professor João César das Neves, a ex-deputada do PS Matilde Sousa Franco, o advogado Luís Vieira Duque e a presidente da Federação Portuguesa pela Vida, Isilda Pegado, entre outros.

A reivindicação por um referendo sobre a coadoção e adoção plena "permanece possível", acreditam os signatários, "assim a Assembleia da República o entenda e acolha aquela que é uma exigência democrática e partilhada pela população portuguesa, como uma recente sondagem o comprovou".

Os signatários relembram ainda que o tema não esteve em debate na campanha eleitoral para as últimas legislativas, em 2011, motivo pelo qual os portugueses devem ser chamados a referendar a matéria.   

A comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais aprovou hoje o retomar da discussão do projeto-lei do PS sobre a coadoção de crianças por casais homossexuais e a votação final global do mesmo, em plenário, foi agendada para sexta-feira.

Todas as bancadas concordaram que os trabalhos devem "retomar no ponto exato" onde foram suspensos, e a votação final global sucederá já na sexta-feira. 

O projeto foi aprovado na generalidade a 17 de maio do ano passado mas o processo legislativo ficou suspenso após a entrada de uma proposta de referendo, da autoria do PSD, sobre a matéria, que foi chumbada pelo Tribunal Constitucional. 

 

Ler notícia no contexto original