Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Arquidiocese de Córdoba autoriza batismo de menina de casal de lésbicas. Argentina. Rádio TSF. Versão para impressão Enviar por E-mail
Sábado, 29 Março 2014 18:15

Por Ana Maria Ramos

 

Na Argentina, na próxima semana, o arcebispo de Córdoba vai batizar uma menina filha de duas lésbicas. Trata-se de um caso inédito.
O batizado está marcado para o dia 5 de abril. A bebé vai receber o nome de Umma e a cerimónia, na catedral de Córdoba, tem a bênção do arcebispo daquela cidade argentina.
Só que na certidão de batismo desta menina, nascida há um mês, apesar do espaço convecionado para escrever o nome da mãe e do pai, vai constar o de Karina Villarroel e Soledad Ortiz.
Casadas de acordo com a lei aprovada em 2013 na Argentina, tornam-se no primeiro caso de um casamento entre pessoas do mesmo sexo a batizar um filho de acordo com a lei católica.
Depois do aval do Arcebispo Carlos Nuñez, que apenas pediu para haver cuidado na escolha dos padrinhos para a criança crescer na fé católica, as duas mães da criança - uma ex-polícia e uma dona de casa - querem que a presidente da Argentina seja a madrinha de Umma por ter sido durante o seu mandato que foi aprovada a chamada lei da igualdade no casamento, que recebeu também o voto da oposição.
Esta foi uma das bandeiras do Papa Francisco enquanto arcebispo de Buenos Aires. Na altura, opôs-se à lei do casamento "gay"; agora como chefe máximo da Igreja Católica tem defendido a inclusão de crianças em famílias homossexuais na Igreja, tendo pedido aos dirigentes religiosos de todo o mundo para não fornecerem a essas novas gerações uma vacina contra a fé.
Uma atitude que, na Argentina, é agora vista como a referência para o arcebispo de Córboda autorizar este batismo, apesar de a notícia ter «irritado» os setores mais conservadores da Igreja.

 

Ler notícia no contexto original