Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Deputados devem votar "barrigas de aluguer" em Maio. Rádio Renascença. Versão para impressão Enviar por E-mail
Segunda, 28 Abril 2014 23:44

Projectos em cima da mesa ??apenas é admitida a gestação de substituição a título excepcional e gratuitamente".

 

Por Susana Madureira Martins

 

 

 legalização das "barrigas de aluguer" deverá ser votada em Maio, avança à Renascença a deputada do PSD ?ngela Guerra.

Esta terça-feira, realiza-se aquela que deverá ser a última reunião do grupo de trabalho que está a analisar os projectos de lei do PSD e do PS. Desde Janeiro de 2012 que a questão está a ser estudada pelos grupos parlamentares. A complexidade da matéria e os sucessivos pedidos de pareceres têm sido dados como justificação para o arrastar de todo o processo legislativo.
 
Em entrevista à Renascença, a deputada do PSD ?ngela Guerra admite que até Maio ou no máximo até Junho se realize a votação final global, em sessão plenária.
 
Para esta terça-feira, o grupo de trabalho reserva a análise de alguns pontos que ainda não estão completamente consensualizados, que se prendem com os beneficiários e questões técnicas e médicas.

?ngela Guerra explica que os deputado vão analisar um parecer pedido ao Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida, sobre ??dúvidas a partir de que momento é que a mulher, quando começa a iniciar os tratamentos de fertilidade, efectivamente se pode considerar que ela já iniciou o tratamento de procriação medicamente assistida?.

O Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida respondeu aos deputados que ??é considerado para efeitos de tratamento médico de procriação medicamente assistida quando a mulher inicia o tratamento e começa a tomar a medicação para induzir o estímulo ovárico?, adianta a deputada do PSD.

?ngela Guerra sublinha que, nos projectos de lei do PSD e do PS, ??apenas é admitida a gestação de substituição a título excepcional e gratuitamente, quando a mulher não tenha útero ou em caso de lesão ou de doença grave desse órgão que impeça de forma absoluta e definitiva a gravidez da mulher?.

Quem violar esta determinação e receber dinheiro para ser ??barriga de aluguer? ou pagar para ter um bebé vai incorrer num crime.

??As molduras penais têm a ver com quem pratica o acto e com quem permite que o acto seja praticado ou que induz que alguém o pratique gratuitamente ou onerosamente. Mas as molduras penais que estamos a prever têm a ver com o facto de, quando há um envolvimento oneroso, haja punição superior?, sublinha a deputado do PSD.

Sobre a designação a utilizar nos projectos de lei ??ficou quase determinado que será gestação de substituição?, explica ?ngela Guerra nesta entrevista à Renascença.

 

Ler notícia no contexto original