Procura

Contactos

 Os nossos e-mails:
 cidadaniaecasamento@gmail.com

 Para organização de debates:
debate@casamentomesmosexo.org

 Para envio de documentos:
documentos@casamentomesmosexo.org

 Contacto de imprensa:
imprensa@casamentomesmosexo.org


 A nossa morada:
 Apartado 50.003, 1701-001 Lisboa
 PORTUGAL

 

Ajude-nos

 Transferência bancária:

 NIB 0010 0000 4379 5060 0013 0

 

Marina diz desconhecer coordenador do núcleo LGBT de sua campanha. jornal BEMPARANÁ. Brasil. Versão para impressão Enviar por E-mail
Terça, 02 Setembro 2014 22:38

MARINA DIAS S?O PAULO, SP - A candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, disse nesta terça-feira (2) desconhecer o coordenador do núcleo LGBT de sua campanha, Luciano Freitas, que anunciou seu desligamento da campanha após publicação de uma errata sobre o programa de governo pessebista, que recuou em importantes bandeiras da comunidade gay.

Em sabatina promovida pelo jornal O Estado de S.Paulo, Marina foi questionada sobre a saída de Freitas e pediu ajuda a Maurício Rands, coordenador do programa de governo que estava na plateia. "Luciano Freitas?", perguntou. Rands afirmou que o militante do PSB já estava sendo substituído e a resposta foi incorporada por Marina na sequência. "Não conheço a militância do PSB como conheço a da Rede. Rands está dizendo que ele já ia ser substituído por outro coordenador", disse a ex-senadora.

A versão oficial adotada pela campanha de Marina é que Freitas vai se dedicar à disputa do partido em Pernambuco e, por isso, já estava se desligando do núcleo que cuida das questões LGBT. No último sábado (30), a campanha do PSB ao Planalto divulgou uma nota em que assinalava recuos do programa de governo em relação às questões da comunidade gay.

Se eleita, Marina não irá mais defender a criminalização da homofobia nem a aprovação da lei que regulamenta o casamento entre pessoas do mesmo sexo. A candidato do PSB repetiu que a errata foi fruto de um "erro de processo" em que o texto dos movimentos sociais entrou na íntegra no programa, sem mediação da equipe de campanha, e disse ainda que, caso vença as eleições de outubro, "novos ajustes terão que ser feitos" no texto durante o período de transição de governo, em janeiro de 2015. Marina rebateu as críticas que tem recebido dos adversários, principalmente da presidente Dilma Rousseff, sobre o recuo no programa de governo na questão LGBT e afirmou que "é muito fácil dar opinião sobre o programa dos concorrentes e não apresentar seu próprio".

"Quem ganha sem ao menos dizer claramente o que vai fazer, corre o risco de, quando ganhar, fazer aquilo que a sociedade não quer", disse Marina. Dilma e Marina já trocaram ataques sobre o tema. Após debate promovido pela Folha, UOL, SBT e Jovem Pan, nesta segunda-feira (1), a presidente afirmou que o recuo da ex-senadora era "uma ofensa para o Brasil" e prometeu defender a criminalização da homofobia. Marina, por sua vez, disse que o programa de governo do PT "só não ganha em conservadorismo do programa do Pastor Everaldo", candidato do PSC contrário ao casamento entre gays e defensor da "família tradicional".

 

Ler notícia no contexto original