Baile gay celebra a posse e a nova postura de Obama. E.U.A.. AFP. Versão para impressão
Escrito por Administrator   
Terça, 22 Janeiro 2013 23:45

AFP

 

 Obamas

No baile promovido pela principal associação de defesa dos direitos homossexuais nos Estados Unidos, realizado na noite de segunda-feira em homenagem a Barack Obama, os convidados ainda se emocionavam quando repetiam as cinco palavras que foram pronunciadas no discurso de posse do presidente: "Nossos irmãos e irmãs gays".

 Há apenas um ano, Obama ainda não havia se posicionado a favor do casamento gay. Estava "evoluindo neste assunto", segundo ele. Era maio de 2012 quando o presidente oficialmente concluiu sua reflexão e afirmou publicamente que as pessoas do mesmo sexo deveriam ter o direito de se casar.

A Campanha de Direitos Humanos (HRC, na sigla em inglês), que reúne os maiores grupos de direitos dos gays, convidou inúmeras pessoas na noite desta segunda para celebrar a posse do presidente, que, por sua vez, esteve presente em apenas dois bailes realizados em diferentes partes da cidade.
No salão de festas do Hotel Mayflower Renaissance, em Washington, o democrata Cory Booker, o popular prefeito de Newark, em Nova Jersey, estava em êxtase.
"Temos muito o que comemorar esta noite!", declarou ante centenas de convidados de smoking, que pagaram 350 dólares cada um pela entrada.
"Estive lá e assisti meu presidente, um homem verdadeiramente evoluído agora", continuou Booker. "Pronto para enfrentar a política conhecida como 'Não pergunte, não fale', pronto para defender a igualdade de casamento, pronto para dizer a verdade ao nosso povo, que não importa quem você é, sua cor, seu credo, sua raça, sua religião, quem você escolhe amar, você é americano e faz parte dos Estados Unidos", discursou.
"Ainda vivemos em um país desigual, ainda vivemos em um país onde existem cidadãos de segunda classe, com seus direitos e privilégios negados", destacou o prefeito.
Este foi o caso de Jerri Berc, de 64 anos. Atualmente aposentada, ela casou-se com Roni Posner em 2002, em Washington, porém as duas mulheres foram viver em Delaware, onde uniões civis já eram legalizadas.


O governo federal não reconhece seu casamento, o que representa um problema na hora de resolver questões de herança e pensão.
Jerri ficou comovida ao ouvir as palavras do discurso de posse do presidente.
"Foi um momento de comoção para mim", destacou. "Saber que o presidente dos Estados Unidos coloca os direitos homossexuais em primeiro plano", comentou.
"Sempre senti que ele era solidário, mas colocar o tema no centro da mesa dos direitos civis foi histórico e extremamente comovente", ressaltou Jerri. "Isso ajudará a reconhecer nosso casamento e assim poderemos compartilhar nossos benefícios de saúde".
Em seu discurso, Obama declarou: "Nossa missão não estará completa até que nossos irmãos e irmãs gays sejam tratados como qualquer um sob a lei".
Obama fez um paralelo entre as inúmeras lutas pelos direitos cívicos na história americana -- como o das mulheres no marco da convenção de Seneca Falls em 1848, a batalha pelos direitos civis em Selma, Alabama e finalmente no caso de Stonewall, em junho de 1969, quando militantes do movimento homossexual realizaram um protesto que foi violentamente reprimido.
Roni Posner, a companheira de Jerri Berc, relembrou que, no período da escola, era inconcebível assumir abertamente a sua homossexualidade.
"O presidente Obama entende que chegou nossa hora. Ele trouxe este assunto à tona hoje e se posicionou sobre esta mudança", salientou.
Mas, além de palavras, que mudanças efetivamente estão sendo realizadas?
No final de março, a Suprema Corte irá analisar a constitucionalidade das leis de estado que proíbem o casamento gay.

 

obamas

No baile promovido pela principal associação de defesa dos direitos homossexuais nos Estados Unidos, realizado na noite de segunda-feira em homenagem a Barack Obama, os convidados ainda se emocionavam quando repetiam as cinco palavras que foram pronunciadas no discurso de posse do presidente: "Nossos irmãos e irmãs gays".

 

 O presidente da Campanha de Direitos Humanos (HRC), Chad Griffin, disse à AFP esperar que a Casa Branca decida usar de toda sua influência ante a Corte na defesa dos argumentos a favor do direito constitucional ao casamento entre pessoas de mesmo sexo.
Outra fonte de preocupação do movimento gay é o status dos cônjuges de militares. As forças armadas não garantem os mesmos direitos das esposas de casais heterossexuais porque a lei federal proíbe o reconhecimento do casamento gay pelo governo federal.
"A política do 'Não pergunte, não fale' foi revogada. Mas ainda assim, gays e lésbicas continuam sendo discriminados todo dia, neste momento não há direitos iguais", destacou Griffin.
"? algo em que o Pentágono poderia avançar e é minha esperança que (o secretário americano de Defesa Leon) Panetta também o faça antes de deixar o cargo".
Durante seu primeiro mandato, Obama abandonou seu apoio à política do 'Não pergunte, não fale' posta em prática durante a administração do presidente Bill Clinton.
Esta política desencorajou gays que serviam na carreira militar a revelar sua orientação sexual sob o risco de serem expulsos.
Griffin descreveu o discurso do presidente como "inacreditável" e "comovente", acrescentando que tinha profundas implicações políticas.

 

Ler notícia no contexto original